24.7.17

Omar Salomão: "tempo"



tempo

apenas tempo fosse
o som dos passos repetidos

o rio ainda é rio
e o tempo não vira
não muda, transforma

a escada e os ninhos
o som dos pássaros apenas

sem peso debaixo dos meus pés
ouço a água correr
molho o pulso e a nuca

eu paro sobre o cais
                   minha sombra
                               dança
                              sobre as ondas




SALOMÃO, Omar. "tempo". In:_____. Pequenos reparos. Rio de Janeiro: José Olympio, 2017.

22.7.17

Nietzsche: III.143 de "A gaia ciência"



143
Grande vantagem do politeísmo. — Que o indivíduo estabelecesse seu próprio ideal e dele derivasse a sua lei, seus amigos e seus direitos — isso talvez fosse considerado, até então,
o mais monstruoso dos equívocos humanos e a idolatria em si; de fato, os poucos que ousaram fazê-lo sempre necessitaram de uma apologia diante de si mesmos, exclamando habitualmente: “Não fui eu! Eu não! Foi um deus através de mim!” Foi na maravilhosa arte e energia de criar deuses — o politeísmo — que esse impulso pôde se descarregar, que ele se purificou, se consumou e enobreceu: pois originalmente era um impulso vulgar e insignificante, ligado à teimosia, à desobediência e à inveja. Ser hostil a esse impulso para um ideal próprio: tal era, então, a lei de toda moralidade. Havia apenas uma norma: “o homem” — e cada povo acreditava possuir essa única e derradeira norma. Mas além de si e fora de si, num remoto sobre-mundo, era permitido enxergar uma pluralidade de normas: um deus não era a negação ou a blasfêmia contra um outro deus! Aí se admitiu, pela primeira vez, o luxo de haver indivíduos, aí se honrou, pela primeira vez, o direito dos indivíduos. A invenção de deuses, heróis e super-homens de toda espécie, e também de quase-homens e sub-homens, de fadas, anões, sátiros, demônios e diabos, foi o inestimável exercício prévio para a justificação do amor-próprio e da soberania do indivíduo: a liberdade que se concedia a um deus, relativamente aos outros deuses, terminou por ser dada a si mesmo, em relação a leis, costumes e vizinhos. Já o monoteísmo, esse rígido corolário da doutrina de um só homem normal — a crença num só deus normal, além do qual há apenas falsos deuses enganadores —, foi talvez o maior perigo para a humanidade até então: ela foi ameaçada pela prematura estagnação que, tanto quanto podemos ver, a maioria das outras espécies animais atingiu há muito tempo; em que todos crêem num só tipo normal e ideal em sua espécie, tendo definitivamente traduzido a moralidade dos costumes em sua carne e seu sangue. No politeísmo estava prefigurada a humana liberdade e variedade de pensamento: a força de criar para si olhos novos e seus, sempre novos e cada vez mais seus; de modo que somente para o homem, entre todos os animais, não existem horizontes e perspectivas eternas.




NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras, 2009, Livro I, § 143.  

20.7.17

Stefan George: "Komm in den totgesagten park und schau" / "Vem ao parque tido por morto e admira": trad. por Eduardo de Campos Valadares



Vem ao parque tido por morto e admira:
O vislumbre de praias sorridentes ·
O súbito azul na nuvem conspira
Ilumina ilha e trilha iridescentes.

Lá toma o cinza · o amarelo vívido
Do arbusto e bétula · o ar é tépido ·
A rosa tardia ainda floresce ·
Beija a eleita e uma coroa tece ·

A última gérbera não esqueças ·
A púrpura no silvestre sarmento ·
Também o resto de verde ornamento
Nessa outonal face te reconheças.





Komm in den totgesagten park und schau:
Der schimmer ferner lächelnder gestade
Der reinen wolken unverhofftes blau
Erhellt die weiher und die bunten pfade

Dort nimm das tiefe gelb · das weiche grau
Von birken und von buchs · der wind ist lau ·
Die späten rosen welkten noch nicht ganz ·
Erlese küsse sie und flicht den kranz ·

Vergiss auch diese lezten astern nicht ·
Den purpur um die ranken wilder reben ·
Und auch was übrig blieb von grünem leben
Verwinde leicht im herbstlichen gesicht.



GEORGE, Stefan. "Komm in den totgesagten park und schau" / "Vem ao parque tido por morto e admira". Trad. por Eduardo de Campos Valadares. In:_____. Crepúsculo. São Paulo: Iluminuras, 2000.


18.7.17

Antonio Cicero nos "Encontros de Interrogação"



Em 2014, fui convidado por Heloísa Buarque de Hollanda e Lourival Holanda para participar da série de conferências anualmente promovida pelo Itau Cultural com o nome de “Encontros de Interrogação”. O tema era a poesia. Eis a gravação de alguns momentos desse “Encontro”:



16.7.17

João Bandeira: "Se a vida insiste em complicar"



Se a vida insiste em complicar
tua existência
dispensa que ela se explique



BANDEIRA, João. "Se a vida insiste em complicar". In:_____. Quem quando queira. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

13.7.17

Sophia de Mello Breyner Andresen: "Meio-dia"


Meio-dia

Meio-dia. Um canto da praia sem ninguém.
O sol no alto, fundo, enorme, aberto,
Tornou o céu de todo o deus deserto.
A luz cai implacável como um castigo.
Não há fantasmas nem almas,
E o mar imenso solitário e antigo,
Parece bater palmas.



ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner. "Meio-dia". In:_____. "Poesia". In:_____. Obra poética. Org. por Carlos Mendes de Sousa. Alfragide: Editorial Caminho, 2011.


12.7.17

Poemas de Antonio Cicero no site "A Vida Breve"



Gostei de saber que o site português "A Vida Breve" está a transmitir a gravação de dois poemas meus: "Diamante" (do livro Porventura) e "Dilema" (do livro Guardar). Encontram-se aqui:

https://www.rtp.pt/play/p1109/e297851/a-vida-breve